Boicote ao Salão do Livro de Paris

Ir em baixo

Boicote ao Salão do Livro de Paris Empty Boicote ao Salão do Livro de Paris

Mensagem  Cyber em Sab Mar 15, 2008 8:57 pm

Foi aberto nesta sexta, 14 de março, o Salão do Livro de Paris com o boicote de sete países árabes. O motivo é a escolha de Israel como convidado de honra do evento, que recebe em torno de 200 mil pessoas e vai até o dia 19. Algéria, Irã, Líbano, Marrocos, Arábia Saudita, Tunísia e Iêmen anunciaram que não iriam participar da feira em resposta a um pedido da Organização Islâmica para Educação, Ciências e Cultura (Isesco, na sigla em inglês). Com sede no Marrocos, a organização solicitou no mês passado o boicote de seus 50 países-membros para protestar contra as ações israelenses na Palestina e na Faixa de Gaza. Em 2008, o Estado de Israel completa 60 anos de existência, mas os organizadores do salão afirmam que foi uma "grande coincidência". Participam das homenagens 39 escritores israelenses.
O boicote também partiu da União dos Escritores Palestinos e a União dos Escritores Árabes, com sede no Egito, que pediram às editoras que cancelassem seus. O Líbano, maior país francófono no mundo árabe, foi o primeiro a afirmar que não participaria do encontro em Paris, iniciativa seguida por Arábia Saudita, Iêmen e Irã, Argélia, Marrocos e Tunísia. Em entrevista a Folha de S. Paulo (para assinantes), o escritor e conselheiro cultural da Embaixada do Líbano em Paris, Abdallah Naaman, afirmou que os escritores oficialmente convidados para representar a literatura israelense não representam o conjunto da população. "Como explicar o fato de que todos os convidados escrevam em hebraico, quando sabemos que o árabe é muito presente no país, sem falar nos escritores que se exprimem em outros idiomas, como francês, russo e o inglês? A escolha do hebraico como única língua prova que uma parte importante da população é rejeitada", afirma ele.

Escritores israelenses também se manifestaram a favor do boicote, como Benny Ziffer, editor do caderno literário do jornal Haaretz, que declarou que "todo escritor israelense deveria, no fundo de sua consciência, boicotar o Salão do Livro de Paris". Assim como, Ilan Pappé, que vive na Inglaterra, e Aaron Shabtai que se declararam contrarios a participação. Dos 40 escritores israelenses oficialmente convidados pelo salão, apenas Aharon Shabtai foi o único que recusou o convite para participar do Salão do Livro de Paris. Justificou assim. "Porque o que o governo de Israel faz hoje é uma verdadeira estratégia de massacre e limpeza étnica contra os palestinos. Acho que o mundo e a Europa deveriam ajudar a resolver o problema, boicotando Israel e pressionando o governo para que cumpra os acordos internacionais e para que reconheça os direitos dos palestinos. Este salão em Paris é uma propaganda pró-Israel, caucionada pelos governos francês e israelense."

Fonte: http://portalliteral.terra.com.br

_________________
:::... Cyber ...:::
"Felix qui potuit rerum cognoscere causas."
Cyber
Cyber
Admin

Masculino Número de Mensagens : 65
Idade : 39
Localização : MG
Data de inscrição : 03/12/2007

Ver perfil do usuário http://livrosrevisados.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum