Desilusão lautréamontana

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Desilusão lautréamontana

Mensagem  Damnus Vobiscum em Qui Ago 07, 2008 5:17 am

Atravessado por uma espada e preso a uma cadeira, apodreço. A longa espada me empalou, penetrando-me os costados na altura do pescoço e descendo pelos pulmões, trespassando-me o fígado, um rim e os intestinos. A ponta aguda saiu pela nádega direita e encravou-se no assento, aprisionando-me aqui, nesta cadeira, que é lentamente devorada pelos cupins. Não tardará a despencar, levando-me consigo em sua queda, uma massa putrefata de exalações malcheirosas que se espalhará pelo piso de azulejos grosseiros desta masmorra, tão velha quanto sou desagradável.

Como foi que vim parar aqui? Ora, questione os cupins. Eles talvez saibam a resposta, pois moram nesta cadeira há muito mais tempo. Eu só estava de passagem, mas algum engraçadinho metafísico resolveu brincar comigo, espetando-me como um coleóptero de coleção. Nacos de carne podre se desprendem quando tento me soltar, sacudindo as clavículas feito uma cocote alucinada. Minhas costelas resvalam na lâmina, limando-me a ossatura. Sobre minha cabeça as vespas depõem seus ovos, que brotam em larvas que me azucrinam os ouvidos. Por minhas narinas os vermes cavalgam buscando-me os miolos. Macios miolos, os meus, tenros e apetitosos para os vermes. Eles lambem os beiços e sugam-me a medula. Sob meus olhos, na órbita óssea, hospedou-se um casal de grilos que cricrila o dia inteiro. O côncavo ocular de minha caveira é seu dossel, e meus olhos murchos servem-nos como cobertas. Aconchegam-se protegidos ali. E quando caem da cama, durante algum pesadelo fortuito de inseto, é sobre minha língua amarrotada que caem. Então, cuspo-os fora. Mas eles sempre retornam, pois apreciam meus pontos de vista. Fileiras de formigas operárias saem-me pelas fissuras na pele, saqueando-me os pertences carnais. Um morcego negro enfiou-se sob o meu traseiro. Seus excrementos fétidos e corrosivos ajudam a depauperar ainda mais esta cadeira sobre a qual estou assentado. Em meu cóccix fez sua morada, saindo quando escurece e retornando pela manhã. Ah! Como o invejo!

A pele amarfanhada de minhas costas colou-se ao encosto da cadeira, soltando-se, expondo-me as omoplatas nuas. Minhas roupas apodreceram, os farrapos sendo arrastados pelos ratos, indo forrar suas tocas. Estou nu, literalmente nu até os ossos. Tremo de frio pela noite, de vergonha quando amanhece e de indignação ao meio-dia, pois as aranhas se assanham por entre a selva morta de meus ossos, tecendo delicadas teias, as quais pairam sobre minhas vísceras diluídas como acima de um pântano onde as moscas abundam.

Como vim parar aqui? Ora, pergunte às aranhas. Elas se utilizam de minha carcaça – logo, por ela se interessam. Quanto a mim, há muito perdi o interesse neste amontoado roído de ossos e desiludida podridão...
avatar
Damnus Vobiscum

Masculino Número de Mensagens : 5
Idade : 43
Localização : Extrema - MG
Data de inscrição : 03/08/2008

Ver perfil do usuário http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=1514

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum