As mãos da tristeza

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

As mãos da tristeza

Mensagem  Maikel de Abreu em Seg Mar 03, 2008 4:00 pm

Se a tristeza é bela, charmosa no meio artístico, ou nobre, não sei. Só sei que vicia como qualquer outra coisa que você possa beber, fumar ou cheirar.

Houve muitos momentos que o horizonte não encontrava meus olhos. Vem então as mãos mornas que te acariciam, te conduzem à cama, mexem nos teus cabelos fazendo que você pense sem parar. O fluxo do pensamento em círculos, transforma a estrada que deixou para trás tão bela que não há como pensar em voltar. Mas nunca se pode, essa é a cruel armadilha do saudosismo. Tem então a prova que se passou o tempo sem saborear as coisas, percebe o quanto que se é insatisfeito e indiferente à vida.

É péssimo quando você descobre a cegueira – antes cedo do que tarde- de si e do mundo, você tem a sensação de uma traição e o traidor é você. Culpa-se e espera que aquelas mãos venham até você novamente. Reclama-se cada vez mais, vitimiza-se cada vez mais para que elas lhe acariciem.

Não poderia calcular aqui quanto tempo perdi deitado recebendo as mornas carícias. Sentiria-me mais culpado do que nunca. Defino tal período como uma espécie de coma.

No início é tão confortável. A leve melancolia, quase relaxa, torna você alguém mais reflexivo.

Quando elas largam você e se vai porta à fora, percebe-se que o mundo gira e tudo move-se sobre ele. Até ali você perdeu o ônibus, o trem, o táxi. Lembrando aqui o finado Paulo Leminski, adquire-se o rosto do homem que chega sempre atrasado. As oportunidades passaram, amores esperaram e cansaram e o tempo... Ah, essa perda irreparável e mais lamentável.

Cai de joelhos novamente, deita no sofá, na cama, colchonete, pufe ou chão. Sempre à espera das mãos mornas e confortantes, elas vem duas vezes mais fortes. Fazem você pensar que as pessoas lhe dariam mais atenção ao lhe verem daquele jeito atirado como uma pilha de roupa suja no banheiro. A pena alheia começa a lhe nutrir. A verdade é que as pessoas aos pouquinhos vão indo embora. Pensam ser algo contagioso tal estado de espírito (disso não duvido).

As mãos da tristeza apertam forte, depois se tornam gélidas. Esmagam e te paralisam. Não há dor ou grito. Difícil soltar-se depois que você encolheu dentro de si e perdeu-se no labirinto que criou.
avatar
Maikel de Abreu

Masculino Número de Mensagens : 3
Idade : 36
Data de inscrição : 03/03/2008

Ver perfil do usuário http://www.oexpurgo.blogspot.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum